4 dicas de saúde alimentar para todos de casa  

Saúde alimentar é para a vida toda! Mas você sabe do que precisamos em cada fase? Contamos nesta matéria, vem ler!
4 dicas de saúde alimentar para todos de casa  

Bora conferir algumas dicas de saúde alimentar? Os alimentos são responsáveis por boa parte da nossa disposição e energia durante a rotina – além da saúde emocional e física. 

Por essa razão, é muito importante buscarmos alimentos fontes de vitaminas e nutrientes essenciais para a saúde.  

A partir deles, melhoramos a qualidade dos nossos dias e nosso organismo (como o sistema nervoso, imunológico e outros) agradece!    

Mas o que significa ter uma saúde alimentar em dia? 

A saúde alimentar precisa condizer com nosso momento de vida. Ou seja: cada faixa etária tem uma necessidade diferente. Essa necessidade é variável e pode ser o desenvolvimento físico e cognitivo, o fortalecimento de ossos e músculos, o fornecimento de energia, e por aí vai.  

Dessa forma, ter uma saúde alimentar em dia significa respeitar esse novo momento, oferecendo ao nosso corpo exatamente o que ele precisa – e evitando o que faz mal à ele.  

Vamos entender melhor como isso funciona na prática?  

Quais são os sinais de uma má saúde alimentar? 

Quando não nos alimentamos daquilo que de fato nosso corpo precisa, ele nos avisa, com:  

  • Tonturas 
  • Estresse e irritabilidade 
  • Infecções ou gripes de repetição pela baixa imunidade  
  • Pouca energia ou fraqueza 
  • Intestino desregulado 
  • Unhas quebradiças 
  • Mau hálito  
  • Queda capilar  

Quanta coisa, né? Esses são alguns sinais que o corpo nos dá de que algo não vai bem com a saúde. Isso é ele sentindo falta de alguma vitamina ou nutriente!  

Nosso corpo funciona como uma fábrica: cada operário tem sua função. Se algum deles faltar, alguma máquina fica sem funcionar, resultando em problemas de produção.  

Os operários são os alimentos fontes de vitaminas e nutrientes que precisamos ingerir e, as máquinas, alguma função importante do nosso organismo que deixou de ser realizada.    

Logo, o problema de produção seria alguma ‘falha’ física ou psicológica em nós. Entendeu?  

Não podemos deixar os operários faltarem, precisamos de toda a equipe! E, claro, trocar os turnos: nem sempre vamos querer um brócolis, por exemplo. Substituições de alimentos com o mesmo valor nutricional sempre são bem-vindas 🙂 

4 dicas de saúde alimentar para praticar desde já 

Confira agora alguns alimentos essenciais para cada fase da vida! 

1. Dicas de saúde alimentar para crianças 

Época de escola, aprendizado, descobertas, brincadeira… quanta coisa! Para que o corpo e a mente aguentem esse ritmo, é importante oferecer os alimentos certos para o organismo, não é?  

A preferência é sempre por alimentos naturais e de todas as categorias nutricionais, para ajudar no desenvolvimento físico e cognitivo.  

Entram então: carnes, frangos e peixes; vegetais verde-escuros; cereais; feijão e frutas.   

2. Dicas de saúde alimentar para adultos 

O cardápio alimentar de um adulto vai depender do estado atual de saúde (se é preciso priorizar algum grupo de alimento ou evitar) e como é a rotina (se é atleta e precisa aumentar o consumo de proteínas, por exemplo).  

No geral, a indicação é sempre optar por alimentos frescos e naturais e realizar, ao menos, 4 refeições por dia. Prefira comer porções menores em mais intervalos do que grandes quantidades de uma vez só e beba bastante água (a quantidade exata pode ser calculada).  

3. Dicas de saúde alimentar para idosos 

Na terceira idade, precisamos dar aquele “empurrãozinho” ao corpo. Afinal, muitas funções passam a ter o ritmo desacelerado e reduzimos a produção de alguns hormônios.  

Por isso, os alimentos que não podem faltar são aqueles que são fonte de energia, como: mandioca, pão, aveia, arroz, milho, batata-doce e abóbora.   

É importante evitar: carnes e aves mal passadas e alimentos que não estiverem 100% cozidos; açúcar, sal, pimenta e doces em excesso e alimentos muito gordurosos (como alguns tipos de leite).  

Se a mastigação for uma tarefa difícil, você pode ralar, picar, amassar ou cortar os alimentos para ajudar!  

4. Dicas de saúde alimentar para grávidas 

Durante a gravidez, é importante priorizar um cardápio que forneça os nutrientes necessários para a formação e saúde do bebê, como: cereais integrais, legumes, frutas, leite e derivados, leguminosas, peixe e carne magra, como peru e frango.  

Já, em relação ao que evitar, entram na lista: frituras, alimentos processados e congelados, atum em lata, leite e queijo não pasteurizados, alimentos com cafeína (como o próprio café), bebidas alcóolicas e chás de canela, boldo, carqueja e sene. 

Como higienizar os alimentos corretamente? 

  • Primeiro, higienize as mãos com água e sabonete líquido 
  • Lave as frutas, verduras e legumes em água corrente 
  • Mergulhe as frutas, verduras e legumes em uma solução de 1 litro de água com 1 colher de sopa de água sanitária e deixe por 10 minutos 
  • Enxágue em água corrente e deixe secar em um local arejado 
  • Se não consumir na hora, guarde na geladeira em potes 

Leia também nosso texto sobre higienização de alimentos. 

Como reaproveitar os alimentos na geladeira e nos armários?   

“Pega tudo e joga no liquidificador” – quem aí já ouviu essa frase? Por trás, há um motivo sustentável bem interessante: a redução do desperdício de alimentos. Sabe aquele tomate que você usou para uma receita e sobrou, aquele ovo que não foi 100% aproveitado e aquele macarrão do dia anterior?  

Aproveite e faça uma receita inédita e criativa! Misture tudo (na medida do possível) e crie um prato sustentável. O meio ambiente agradece e seu estômago também!  

Ah, só fique de olho na validade, viu? Se já tiver passado do prazo, essa dica não funciona. Mas você pode utilizar esses restos que já passaram da validade para adubo 

Para isso, você vai precisar de dois potes (pode usar algum que você jogaria fora, como o de sorvete). Um deles servirá para produzir o chorume e, o outro, para armazenar e possibilitar a locomoção do líquido, que servirá como adubo.  

Comece fazendo alguns furos no fundo de um dos potes para permitir a passagem de água. Em seguida, cubra a região que você acabou de furar com terra e adicione cascas de legumes, verduras, folhas secas ou restos de comida triturados. Agora, cubra esses restos com mais uma camada de terra.   

Antes de começar a usar, posicione o outro pote (que está inteiro e vazio) na parte de baixo e… seu adubo sustentável está pronto!  

Além da alimentação, também é muito importante cuidar da saúde mental. Nós trouxemos um guia sobre o assunto neste artigo! 

Você achou esse artigo útil?

4 dicas de saúde alimentar para todos de casa